PUBLICIDADE

Cristovam Buarque: esquerda brasileira trai o interesse público

Senador do PPS, que quer disputar Presidência, chama Lula, de quem foi ministro, de atraso populista e diz que sua condenação é fortalecimento institucional

Postado por: Sert News

26/07/2017 às 19h21 atualizado em 26/07/2017 às 19h21

Cristovam Buarque: esquerda brasileira trai o interesse público
O senador Cristovam Buarque (DF) quer ser candidato à Presidência da República pelo PPS (Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) diz estar “disposto e pronto” para ser candidato à Presidência da República em 2018. O político, de 73 anos, repetiria muitas das propostas que constituíram o programa de governo que escreveu para concorrer ao Palácio do Planalto em 2006. Ele só precisa de uma autorização do PPS para entrar na disputa. “Doze anos depois, acho que estou mais preparado e mais forte.”

Buarque teve pouco mais de 2,5 milhões de votos quando se candidatou ao Executivo federal pelo PDT. Terminou a eleição em quarto lugar. Desta vez, o senador gostaria de concorrer para barrar candidaturas que chama de retrógradas. Ele afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é um “atraso populista”, enquanto o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é um “atraso do ponto de vista do autoritarismo”. Buarque diz que, caso Lula seja impedido de concorrer em decorrência de uma condenação judicial em segunda instância, o país teria uma prova de “fortalecimento institucional”.

O pepessista também não poupa críticas a Ciro Gomes (PDT), outro presidenciável. “A única diferença radical entre ele e o Bolsonaro é que o segundo é previsível do mal que pode causar”. O senador, antes visto como representante da esquerda brasileira – no PT, foi ministro da Educação de Lula -, afirma que as pessoas que o chamam de golpista são “traidores do interesse público”. E manda um recado: “Sigo me considerando de esquerda enquanto não existir outro nome para dizer isso”.

O senhor declarou que poderia se candidatar à Presidência da República caso o PPS tivesse interesse. O senhor de fato tem essa ambição?

Não vou pleitear, mas se o PPS quiser, estou disposto e pronto. Numa disputa em que vemos o passado estampado nas pesquisas, com a cara do Lula ou do Bolsonaro, creio que qualquer político tem o direito de estar disponível para isso. Já fui candidato em 2006 e tive pouquíssimos votos [2.538.844, ou 2,64% dos votos válidos], mas acho que não me saí tão mal, porque estava disputando com Lula e Geraldo Alckmin (PSDB), que estavam no auge político, e com o charme da [ex-senadora] Heloísa Helena (à época no PSOL). Doze anos depois, acho que estou mais preparado e mais forte.

O PPS mostrou interesse ou deu algum indício de que gostaria de lançar o senhor à Presidência?

Nas andanças que faço e nos encontros dos quais participo, sinto que existe a ideia de ter um candidato do partido na disputa presidencial. Sinto um pouco de simpatia com relação ao meu nome, mas nas direções eu nunca tive um diálogo sobre ter ou não um candidato. Essa é uma ideia que sempre defendi, todos os partidos deveriam ter candidatos a cargos executivos. Não sei também qual seria o nome escolhido. Por que não o [ministro da Defesa] Raul Jungmann? Por que não o [ex-ministro da Cultura] Roberto Freire? Nas bases sinto que a ideia de ter candidato é forte e que há simpatia ao meu nome, mas nunca senti isso nas direções.

O que o senhor poderia adaptar do projeto que propôs em 2006 para o atual cenário político e econômico?

Eu tenho uma mania de professor, de intelectual, e fui o único candidato que publicou um programa eleitoral completo. Fiz um livro para tratar do Brasil. São mais de cinquenta capítulos que escrevi para abordar todos os temas. Primeiro teríamos de ter eficiência na economia. A economia não é lugar para fazer justiça, mas para ter eficiência. É preciso ter cada vez menos intervenção estatal e respeitar o mercado, sempre subordinado à ética. Assim, faríamos justiça saindo da armadilha da pobreza, com programas que não seriam demagógicos nem quebrariam a responsabilidade fiscal. É por isso que a erradicação da pobreza levaria décadas. Outro ponto é o acesso à educação para todos os brasileiros, independentemente do CEP de onde moram e do CPF da família. A educação é o caminho para uma justiça que respeitará o talento e a persistência. Um dos maiores erros da esquerda foi não respeitar a desigualdade que vem do mérito e do esforço pessoal.

Qual seria o projeto político ideal para o Brasil?

A política exige um compromisso radical com a democracia e que implica na liberdade de imprensa e do discurso e na tolerância aos posicionamentos diferentes. Também é um compromisso radical com a participação política de todos. Muitos por aí dizem que isso se chama liberalismo. Acho que temos que ter capitalismo na economia. No social, a educação tem que ser de máxima qualidade e igual para todos. E, na política, precisamos ter liberalismo.

 

A economia não é lugar para fazer justiça, mas para ter eficiência. É preciso ter cada vez menos intervenção estatal e respeitar o mercado, sempre subordinado à ética. Assim, faríamos justiça saindo da armadilha da pobreza, com programas que não seriam demagógicos nem quebrariam a responsabilidade fiscal

 

Os resultados das eleições nos EUA e na França sugerem um rechaço aos políticos tradicionais. O senhor acredita que a cultura de outsiders se repetirá no Brasil? Será necessário se vender como um nome novo?

Tenho a tradição de não me vender no sentido mercadológico e de não me adaptar ao discurso da moda. Não usaria a ideia de não ser político. Entrei na política aos 50 anos. Não existe esse discurso de dizer que alguém que disputa uma eleição não é político. Não existe ninguém mais político do que esse senhor Jair Bolsonaro, que usa o Exército como escada política. Não vejo nenhum partido que tenha o monopólio da verdade – nem o meu. Os partidos estão contaminados eticamente e ideologicamente com o passado. Defendo a refundação dos partidos. Andei pensando que é muito difícil ser líder em tempos de mutação. Fazer política na época do telefone inteligente não é o mesmo que fazer política na época do telefone de discar. Os líderes são paradigmáticos, mas vivemos tempos em que o mundo se transforma de um dia para o outro. Por isso essas pessoas dizem que não são políticas. Se andar contra essa tendência não for me dar voto, então eu lamento, mas não terei voto.

As pesquisas de intenções de voto mostram que há uma polarização entre as pré-candidaturas de Lula e Bolsonaro. Como conquistar o eleitor que se divide entre esses extremos?

Dizendo que nem o Bolsonaro representa a direita nem o Lula representa a esquerda. Eles representam forças tradicionais. São pessoas que estão em partidos que vêm do tempo em que se tratava a esquerda e a direita dessa forma. É preciso distinguir quem traz o discurso novo de quem traz um discurso atrasado. Lula é um atraso populista, e Bolsonaro é um atraso do ponto de vista do autoritarismo.

O que muda para o cenário eleitoral brasileiro caso Lula seja impedido de concorrer à Presidência?

Por um lado, seria positivo que o Lula saísse [da disputa] por razões institucionais. Seria um fortalecimento institucional, mostraria que a democracia e a Justiça funcionam. Há, no entanto, o lado negativo, porque ficaria de fora da disputa uma pessoa com a liderança e com a quantidade de votos do Lula. Eu não sei o que vai pesar mais. As pessoas aceitarão o fato de que um condenado com a força do Lula ficará fora da disputa? Ou prevalecerá a narrativa que fala em golpismo? É uma questão da Justiça, prefiro não torcer nem comentar.

 

Nem Bolsonaro representa a direita nem Lula representa a esquerda. Eles representam forças tradicionais. Estão em partidos que vêm do tempo em que se tratava a esquerda e a direita dessa forma. É preciso distinguir quem traz o discurso novo de quem traz um discurso atrasado. Lula é um atraso populista, e Bolsonaro é um atraso do ponto de vista do autoritarismo

 

O senhor acredita que o quadro político nacional está desmoralizado a ponto de os partidos terem perdido a importância para os eleitores?

Hoje, os partidos não são mais importantes. Tenho uma proposta de permitir eleições com candidaturas avulsas, mas isso não se concretizará agora. Acho muito interessante quando falam sobre o [presidente francês Emmanuel] Macron. O Brasil não aceita um Macron. Não dá para fundar mais partidos. Temos um excesso de legislação aqui, e os partidos perderam a identidade moral, tanto do ponto de vista ético quanto do ponto de vista das bandeiras. Tem partido que defende o direito ao aborto, mas pessoas filiadas a ele são contrárias a isso. Tem partido que defende o casamento gay e abriga pessoas homofóbicas em seus quadros. Não existe uma identidade moral nem de propósitos. Antes falávamos que isso era ideologia, mas hoje não existe um compromisso para o Brasil que queremos no futuro. Não vejo partidos pensando no futuro, eles só pensam na próxima eleição.

Esse cenário é propício para que partidos novos ou menores cresçam no vácuo deixado por siglas tradicionais?

Do ponto de vista eleitoral, vota-se nesse ou naquele, mas não creio que isso acontecerá do ponto de vista propositivo. Esses partidos não têm um conjunto de ideias nem um programa de governo. Nem mesmo a Rede. A [ex-senadora] Marina Silva talvez tenha um programa na cabeça dela, mas as pessoas da Rede não têm um propósito de governo. Esses partidos podem substituir os grandes por escassez. É como ganhar um jogo por W.O., você vence porque o adversário não está no campo, não porque o seu time tem os melhores artilheiros.

O senhor foi hostilizado em Belo Horizonte por votar a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e da reforma trabalhista. Como o senhor enxerga o fato de a esquerda considerá-lo um traidor?

Antes eu tinha essa esquerda em alta consideração, hoje não tenho mais. Essa desconfiança é absolutamente mútua, acho que eles não têm nada de esquerda. Ser de esquerda é se indignar com a situação social, não prezar apenas pelo nome de uma pessoa. É sonhar com um mundo melhor, mas esse mundo não é aquele em que o Estado intervém e desapropria os meios de produção. O sonho é conseguir colocar na mesma escola os filhos dos ricos e dos pobres, o que só é possível se tivermos estabilidade monetária. Para ser de esquerda é preciso estar em sintonia com as transformações do mundo. Você não pode se considerar de esquerda e ser atrasado. Quem me vaia hoje é atrasado. Eles não entenderam que as transformações tecnológicas exigem leis trabalhistas diferentes daquelas que foram aprovadas com a CLT. São traidores do interesse público, foram contra a privatização das telecomunicações e até contra o Plano Real. Só que eles não pedirão desculpas quando ficar provado que as reformas trabalhistas vão trazer uma modernização na relação entre o capital e o trabalho.

O senhor ainda se considera de esquerda?

Sigo me me considerando de esquerda com base na definição que tenho e enquanto não existir outro nome para dizer isso. Nós temos que criar um projeto de coesão nacional, isso é o contrário da luta de classes. Chamo isso de esquerda, mas alguém pode chamar de “redondo” ou de qualquer outro adjetivo.

A candidatura do ex-ministro Ciro Gomes é uma alternativa para o campo da esquerda se descolar do PT?

O Ciro não tem nada de esquerda. Também não sei se tem algo de direita, porque ele é imprevisível. A única diferença radical entre ele e o Bolsonaro é que o segundo é previsível do mal que pode causar. Qual é a proposta de esquerda do Ciro? Eles chamam de esquerda um discurso que seria perfeito para os anos 50, quando tínhamos Guerra Fria e não existia globalização e robótica. O discurso do Ciro é velho. Não é possível ser atrasado e ser de esquerda. É até possível ser autoritário, mas ser atrasado é uma contradição. Só é de esquerda quem olha para a frente.

Qual avaliação o senhor faz do governo do presidente Michel Temer (PMDB)?

Temer está levando a economia de forma correta neste momento de crise – e a esquerda não acredita nisso. Só que seu governo é um desastre do ponto de vista político, ético e de comunicação com a opinião pública. Minha impressão é de que o Temer não tem a menor consideração com a opinião pública. Ele se preocupa com quantos deputados e senadores tem em sua base, não com o pensamento das pessoas. Não digo que ele deveria se submeter à opinião pública, mas tentar convencê-la. Tem político que faz o que a população quer e destrói a economia. O estadista faz o que é necessário e convence o povo disso. O Temer não faz parte dos estadistas, porque não está nem aí. O Lula também não foi um estadista, porque não fez o que era necessário para garantir estabilidade a longo prazo.

 

Temer está levando a economia de forma correta neste momento de crise – e a esquerda não acredita nisso. Só que seu governo é um desastre do ponto de vista político, ético e de comunicação com a opinião pública

 

FONTE: Revista Veja

0 Comentário (s)