PUBLICIDADE

Delator da Operação Lava Jato prepara biografia

Doleiro Alberto Youssef foi acusado de ser o principal operador de propinas no esquema que envolveu a Petrobras

Postado por: Sert News

08/08/2017 às 11h46 atualizado em 08/08/2017 às 11h46

Delator da Operação Lava Jato prepara biografia
Alberto Youssef foi preso na Lava Jato em março de 2014 ( Foto: Agência Brasil )

O doleiro mais famoso da Operação Lava Jato quer eternizar sua história. Alberto Youssef, que revelou, em delação premiada, detalhes do esquema de corrupção instalado na Petrobras, pediu ao juiz Sérgio Morolicença para ir a Londrina (PR), onde nasceu buscar documentos que, segundo ele, vão ajudar a desenvolver sua biografia.

A defesa de Youssef relatou a Moro que o doleiro já fechou acordo com uma editora e um autor. Inicialmente, o pedido foi negadopelo magistrado. 

Operador

Youssef foi preso na Lava Jato em março de 2014. A força-tarefa do Ministério Público Federal o acusou de ser o principal operador de propinas no esquema de corrupção na Petrobras. O doleiro passou 2 anos e 8 meses na prisão. Deixou o cárcere em novembro de 2016 e está morando em São Paulo, onde cumpre regime aberto. 

Segundo a defesa de Youssef relatou ao magistrado, os contratos do futuro livro "preveem que o autor deverá entregar os originais da obra até 31 de dezembro de 2017", além de tornar disponíveis documentos e colaborar com o biógrafo na elaboração da obra. 

Viagem

Youssef queria ficar em sua cidade natal entre o dia 2 deste mês e a última segunda-feira (7). O doleiro pediu autorização a Moro em 28 de julho sob a alegação de "razões pessoais e familiares". O Ministério Público Federal foi favorável ao pedido, mas o juiz não autorizou.

Ao negar a solicitação de Youssef, na terça-feira, o magistrado afirmou que a defesa não havia apresentado "quaisquer esclarecimentos sobre a necessidade da viagem". No dia seguinte, a defesa pediu para o magistrado reconsiderar a decisão, explicando o motivo da viagem. O juiz, porém, ainda não decidiu sobre o novo pedido. 

FONTE: Estadão Conteúdo

0 Comentário (s)