PUBLICIDADE

Pesquisas testam ayahuasca no tratamento de depressão e alcoolismo

Estudo desenvolvido no Rio Grande do Norte testou o uso do chá em pacientes com depressão. Professor da Unifesp pesquisa a utilização no combate à dependência de álcool.

Postado por: Sert News

16/11/2017 às 13h09 atualizado em 16/11/2017 às 13h09

Pesquisas testam ayahuasca no tratamento de depressão e alcoolismo
Imagem tirada em fevereiro de 1999 de uma liana Ayahuasca em Tarapoto, no nordeste da selva do Peru (Foto: Jaime Razuri/AFP/Arquivo)

Uma pesquisa desenvolvida no Instituto do Cérebro (ICe) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte testou a ayahuasca como antidepressivo, e obteve resultados iniciais positivos em pessoas que apresentam quadro de depressão. A solução psicoativa é usada comumente em cerimônias religiosas, como Santo Daime e Jurema. Contudo a ciência tem se debruçado sobre a utilização medicinal desse chá.

De acordo com o que afirma a pesquisadora Fernanda Palhano, que defendeu este ano sua tese de doutorado com base nesse teste, orientada pelo professor Draulio Araújo, a maior parte das pessoas que tomou a ayahuasca apresentou melhora nos sintomas depressivos. Segundo ela, foram 64% dos pacientes que beberam o chá com melhora clínica em até sete dias após o experimento.

“Fizemos o que se conhece por ensaio clínico duplo cego randomizado. Isso significa pegar um grupo de pacientes, dividi-lo ao meio e de maneira aleatória separar os pacientes que vão fazer parte do tratamento que se quer testar, no nosso caso a ayahuasca, ou do grupo placebo. Além disso, nem pacientes nem pesquisadores sabiam qual a substância, ayahuasca ou placebo, estava sendo administrada, daí o termo duplo (para pacientes e pesquisadores) cego”, explica.

Para a pesquisa, foram selecionados pacientes que tinham depressão resistente ao tratamento. “Ou seja, pessoas que já tinha feito uso de diversos antidepressivos comerciais, mas que não tinham melhora do quadro depressivo. Além disso tínhamos um grupo de indivíduos saudáveis, que foram usados como controle”, detalha a pesquisadora.

Ao todo, 29 pessoas com depressão participaram da experiência, além das 50 pessoas saudáveis do grupo de controle. Entre os doentes, 15 receberam placebo e 14 a substância real.

 

Procedimentos

 

O experimento durava quatro dias. No primeiro dia, o paciente era submetido a uma série de avaliações, tais como entrevistas com psiquiatra, psicólogo, exame de ressonância magnética funcional.

Fernanda Palhano relata que a pessoa dormia no hospital enquanto fazia uma eletroencefalografia (método de monitoramento utilizado para registrar a atividade elétrica do cérebro) durante o sono. Pela manhã, eram coletadas amostras de sangue e saliva. Na mesma manhã, era feita a administração de uma única dose da substância (ayahuasca ou placebo).

“A sessão de tratamento tinha duração de aproximadamente 8 horas. Ao final da tarde o paciente era liberado para voltar para casa. No dia seguinte, ele retornava ao hospital e as mesmas avaliações do primeiro dia eram refeitas. Novamente ele dormia no hospital, e no outro dia, pela manhã, era liberado”.

O paciente retornava para consultas com o psiquiatra 7 dias, 14 dias e 1 vez por mês durante 6 meses após o tratamento.

“Nosso primeiro resultado é com relação ao efeito antidepressivo da ayahuasca, aos dados das escalas psiquiátricas que medem a gravidade da depressão. Vimos que logo no primeiro dia após o tratamento há uma diminuição significativa dos sintomas depressivos nos pacientes que beberam ayahuasca quando comparados aos que beberam placebo”, conta a pesquisadora.

Esse efeito, de acordo com Fernanda Palhano, permanece e é ainda maior 7 dias após o tratamento. “Com 7 dias, encontramos que 64% dos pacientes do grupo ayahuasca (nove pessoas) tem uma resposta clínica, enquanto que apenas 27% dos pacientes do grupo placebo (quatro pessoas) melhoraram”, afirma.

As informações obtidas nos exames realizados ao longo do experimento estão sendo analisados pelos pesquisadores do Instituto do Cérebro. De acordo com Fernanda Palhano, esses exames médicos ainda podem ajudar a compreender os mecanismos de ação da ayahuasca no organismo e o porquê de o chá ter o efeito antidepressivo mostrado nos testes. “Outra parte importante do trabalho é entender o que muda nesses pacientes com depressão quando comparados aos controles saudáveis”, acrescenta.

Segundo Fernanda Palhano, o próximo passo da pesquisa é ampliar a quantidade de pacientes tratados, e testar esquemas de tratamento de pacientes através da ayahuasca, não mais apenas ministrar uma dose do chá.

O estudo ainda não foi publicado, mas há uma versão em preprint disponível no link.

 

Experimentos começaram em 2006

 

O professor Draulio Araújo, orientador da tese de doutorado de Fernanda Palhano, diz que o projeto de pesquisa do uso da ayahuasca como antidepressivo começou ainda em 2006. “Em Ribeirão Preto, quando eu ainda era professor da USP (Universidade de São Paulo). A primeira etapa do projeto previa a realização de um ensaio aberto, sem placebo, para avaliar preliminarmente os efeitos antidepressivos, bem como efeitos adversos do uso da ayahuasca por pacientes com depressão severa. Essa etapa do projeto foi coordenada pelo professor Jaime Hallak, da psiquiatria da USP de Ribeirão Preto”, complementa.

Em 2011, foi iniciada a segunda fase do projeto, já em Natal e sob a coordenação do professor Draulio. Nessa fase, os pesquisadores realizaram o que se conhece como "Randomized Placebo-Controlled Trial", que é feito controle pelo placebo. “Em outras palavras, alguns pacientes foram submetidos a uma única sessão com Ayahuasca, e a outra metade, placebo. A fase de coleta de dados dessa etapa durou 2 anos e meio, e foi finalizada em meados de 2016. Atualmente estamos analisando os dados coletados e escrevendo os manuscritos associados a eles”, reforça Draulio Araújo.

De acordo com o professor, os estudos atuais sobre o uso terapêutico da ayahuasca têm focado principalmente em pacientes com depressão, e no tratamento do uso abusivo de substâncias, principalmente de álcool.

 
Psiquiatra e professor da Unifesp Dartiu Xavier da Silveira (Foto: Cedida/Arquivo Pessoal)

Psiquiatra e professor da Unifesp Dartiu Xavier da Silveira (Foto: Cedida/Arquivo Pessoal)

 

Ayahuasca contra o alcoolismo

 

O psiquiatra e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Dartiu Xavier da Silveira desenvolveu uma pesquisa em que relaciona o uso do chá de ayahuasca em contexto religioso ao tratamento de alcoolismo. “O que chamou a atenção pra gente de cara foi que a gente descobriu várias pessoas que eram alcoólatras há mais de 40 anos e, quando entraram em uma dessas religiões ayahuasqueiras simplesmente abandonaram o uso de álcool”, relata.

De acordo com Dartiu Xavier, quatro desses casos foram estudados e documentados na pesquisa de uma tese de doutorado.

Depois disso, o professor passou a estudar os efeitos da ayahuasca em adolescentes. Foram comparados adolescentes que tomavam o chá com outros que nunca haviam tomado. “Foram oitenta adolescentes. Os que usavam ayahuasca tinham menos sintomas depressivos, menos sintomas ansiosos, mais capacidade de se concentrar. As meninas adolescentes que tomavam ayahuasca tinham menos alterações da imagem corporal, menos problemas de transtornos alimentares. Ou seja, era um grupo mais sadio do que o que não usava ayahuasca”, resumiu.

Segundo Dartiu, as pessoas que participaram dos experimentos tomavam o chá duas vezes por mês. Com relação aos possíveis efeitos colaterais e segurança de tomar a ayahuasca, os efeitos colaterais do chá, o professor diz que esse tema também foi alvo de investigação pelos pesquisadores. Foram feitos testes psicológicos com pessoas que começaram a tomar a bebida ainda crianças, para saber se elas tinham alguma alteração.

“E não. O desempenho delas foi excelente, mostrando que a ayahuasca, mesmo que começando a ser usada precocemente, desde que seja no contexto ritualizado, contexto de ritual religioso, não é prejudicial ao cérebro”, revela.

 
Neurocientista Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro da UFRN (Foto: Rafael Barbosa/G1)

Neurocientista Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro da UFRN (Foto: Rafael Barbosa/G1)

 

“O que vem aí é uma revolução”

O neurocientista Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro (ICe) da UFRN, afirma que a ciência está se abrindo mais para as substâncias psicodélicas. “Vai ser como uma nova indústria. O que vem aí é uma revolução. Há uma tensão entre quem vai tomar conta nisso, mas o que é obvio é que essa revolução é inevitável”, disse.

Sidarta defende que o futuro da Medicina estará atrelado às descobertas relacionadas aos psicodélicos e canabinoides, substâncias que compõem a maconha.

As pesquisas procuram cada vez mais comprovar capacidade medicinal dessas substâncias químicas, sob a expectativa de que elas venham a se tornar remédios para diversos tipos de doenças. Parte delas já é usada pela Medicina, principalmente os derivados da Cannabis Sativa. Já há decisões judiciais em diferentes lugares do Brasil que autorizam o uso de medicamentos à base de Canabidiol (CBD), por exemplo, para tratar convulsões.

Dentro dos estudos que se debruçam sobre o tema, há os testes com as substâncias puras e complexas. Ou seja, as substâncias em seu estado originário, individual, e a combinação delas, segundo ele explica Sidarta Ribeiro. E ainda não há resposta na ciência para qual das duas tem melhor reação para determinados tipos de usos terapêuticos.

“A mistura que é feita no chá de ayahuasca é uma mistura psicoativa muito poderosa, que vai muito além do DMT (N,N-dimetiltriptamina , um composto presente no chá). É possível que muito dos benefícios terapêuticos que advêm do uso da ayahuasca sejam devido justamente a essa interação”, diz.

Para Sidarta Ribeiro, a pesquisa desenvolvida no ICe evidencia o potencial da ayahuasca. “Na pesquisa do Draulio e da Fernanda eles mostraram que, em um ambiente controlado, num hospital, não tava na igreja, mas havia um cuidado com a pessoa, tem um resultado. E o resultado foi lindo e forte”.

Em outubro, Sidarta Ribeiro e Draulio Araújo assinaram como coautores um artigo do professor Stevens Rehen, do Rio de Janeiro, em que apontam o DMT como um estimulante das atividades cerebrais no que diz respeito à capacidade de aprender. “aumenta a plasticidade do cérebro”, afirma Sidarta. O estudo, feito a partir da criação de organoides que imitam o cérebro, é considera também um avanço no campo.

Apesar de a ciência ter avançado nas pesquisas, segundo Sidarta não é fácil atuar nessa linha de pesquisa. O Instituto do Cérebro publica desde 2012 sobre ayahuasca e, além dos pesquisadores brasileiros, há poucos grupos no mundo que se debruçam sobre o tema.“São substâncias poderosas que hoje ainda é difícil usar, estudar, estão relegadas ao mundo ilegal. Porém isso está mudando rapidamente no mundo. No Brasil nem tanto, mas na pesquisa nós brasileiros estamos na vanguarda”.

FONTE: G1 - Portal de Noticia da Globo

0 Comentário (s)