PUBLICIDADE

Temer culpa queda de inflação e da arrecadação por rombo maior

Segundo ele, as medidas anunciadas ontem barraram um aumento de impostos, como setores do próprio governo chegaram a cogitar

Postado por: Sert News

16/08/2017 às 19h12 atualizado em 16/08/2017 às 19h12

Temer culpa queda de inflação e da arrecadação por rombo maior
O Presidente da República, Michel Temer, participa da 18ª Conferência Anual Santander. O evento acontece no Teatro Santander na Vila Olímpia, zona sul

O presidente Michel Temer defendeu nesta quarta-feira a mudança da meta para o déficit primário do setor público deste ano e do próximo para R$ 159 bilhões. A mudança foi anunciada na terça-feira  pela equipe econômica.

Segundo o peemedebista, houve uma queda da arrecadação deste ano provocada tanto pela desaceleração da inflação como pela dificuldade em aprovar um novo programa de refinanciamento de dívidas, o Refis.

“Quando há queda da inflação, que está em menos de 3,0% agora, também cai a arrecadação. De resto, formatamos uma medida provisória (MP) de Refis que estabelecia certos padrões, mas o Congresso modificou radicalmente a proposta”, disse o presidente, acrescentando que, enquanto governo e parlamentares não entram em acordo, as empresas que esperam o programa para saldar suas dívidas deixaram de pagar o governo.

“Ontem (terça-feira), após três, quatro dias de discussão, os ministros Meirelles (Fazenda) e Dyogo (Planejamento) anunciaram a nova meta, que ficou nos mesmos R$ 159 bilhões do ano passado”, minimizou.

Apesar da revisão para cima do déficit para este e o próximo ano, o presidente salientou que houve também anúncios no sentido contrário, como o corte de 60 mil cargos do serviço público federal e o adiamento do reajuste de várias categorias do serviço público. Ele ponderou ainda que, “se inflação cai, o salário vale mais”.

O presidente disse ainda que, com as medidas anunciadas ontem foi possível barrar um aumento de impostos, como setores do próprio governo chegaram a cogitar nas últimas semanas. “Confesso que sempre tive resistência a aumentar impostos para qualquer categoria”, declarou.

O presidente procurou reiterar o compromisso do governo em recuperar as contas públicas, bem como o de aprovar as reformas da Previdência e tributária. No caso da reforma política, continuou, o tema vem sendo tocado pelo Congresso. “O Legislativo é parceiro”, ressaltou. “Trabalhamos juntos para governar juntos.”

(Com Estadão Conteúdo)

FONTE: Revista Veja

0 Comentário (s)